Postectomia – Cirurgia da Fimose em Crianças

Pedro (9) e Enrico (3) acabaram de passar por uma postectomia, ou operaram a fimose. Esse assunto gerou muito interesse nas seguidoras do instagram, e vou tentar relatar tudo que aconteceu desde o inicio, pois todas as dúvidas que recebi estarão respondidas nesse relato.

Fimose, numa maneira bem leiga de explicar, é quando a pele da cabecinha do pênis do menino não desce, não deixando assim expor a glande. Ela pode abrir com o tempo, com a ajuda de pomadas e massagens que o pediatra ensina, mas pode acontecer de precisar de intervenção cirúrgica, caso ela não desça.

A INDICAÇÃO MÉDICA

Pedro de pequeno usou a pomadinha para baixar a pele, e ok, deu tudo certo. Mas o pediatra da época notou um excesso de pele na cabeça do pênis, e sem muitas explicações, orientou a ir num urologista para fazer a retirada dessa pele. Marquei num urologista que era na mesma clinica do pediatra, numa ala diferente. Quando cheguei, notei a sala lotada de mães com resultados de exames pré operatórios. Falei com algumas e todas iam fazer cirurgia. Ao entrar na sala, ele mal olhou o pipi do Pedro e já pegou a agenda para marcar uma cirurgia, sem me dar maiores explicações. Eu não quis marcar, me senti incomodada, o santo não bateu.

Resolvi então ouvir uma segunda opinião, e fui num outro urologista que alguém me indicou, ficava na frente do Sirio Libanês. Esse médico examinou, olho, e me perguntou: com qual freqüência ele tem infecções? Eu respondi que ele nunca havia tido nenhuma. Estava por volta de 4 anos na época. ESSE MÉDICO, naquela ocasião, disse que ele não indicava a cirurgia, porque seria por uma questão estética, já que a pele abaixava, e ele nunca havia tido problemas com infecção.Que o filho dele, da mesma idade, também tinha excesso de pele e que ele não submeteria o filho a uma cirurgia por isso. Lógico que como mãe, tudo que você quer ouvir é que seu filho não precisa passar por um procedimento cirúrgico. Saí de lá tranquila, e deixei esse assunto pra lá.

Já Enrico, mesmo com as massagens, uso de pomada específica indicada pela pediatra, não teve os resultados esperados, e a pele não baixou. Mas a pediatra não achava necessário se preocupar.
Com 2 anos e meio, trocamos de pediatra, e ela me orientou que procurasse um orologista, pois a pele dele era muito fechada. Quando examinou o Pedro, notou uma aderência de um dos lados (a pele que já havia baixado totalmente teve uma aderência, quer dizer, voltou a grudar).
Tentei marcar com aquele primeiro médico, que não quis operar o Pedro pequeno, mas ele já havia saído da clínica, e eu não consegui seu contato. Lá, a moça me indicou o médico que havia feito a cirurgia do filho dela, que atende no Hospital 9 de Julho. Marquei com ele, e por uma coincidência da vida, era justamente o urologista que fez a vasectomia do meu marido.
Foi muito bom passar com ele, porque ele foi direto e claro em algumas explicações importantes pra mim.

Ele me explicou que no caso do Enrico, não tinha jeito, tinha que fazer mesmo, muito fechado.
O Pedro estava mesmo com uma aderência de um dos lados, e o mais importante, ele explicou que HAVIA SIM NECESSIDADE DE TIRAR O EXCESSO DE PELE. Ainda que ele não tenha nunca tido uma infecção urinária aos 9 anos, o período crítico seria a puberdade, e depois, a vida sexual.
Sim, temos que falar nisso gente. Na puberdade, com o menino descobrindo o corpo, etc, e depois na vida sexual, aquela aderência poderia sempre machucar, porque é forçada, sangrando, e assim sendo uma porta de entrada para DSTs . Outra coisa é que dentro desse excesso de pele, poderia se acumular restos de secreção, que também aumentariam o risco de infecções, de mau cheiro etc. Outro fator, é que esse excesso de pele reduz a sensibilidade e conseqüentemente o prazer sexual.
Portanto, esse fato refletiria na qualidade de vida do meu filho. É estranho pensar nesses assuntos, considerando que né…filho…nosso tesourinho…rs…mas a gente precisa sim pensar nisso.

O médico me disse: se não fizer agora, um dia na vida ele vai ter que fazer. Só que a recuperação da criança numa cirurgia dessa é muito mais fácil que a de um adulto. Quanto mais tempo você esperar, pior vai ser. Já devia ter feito! Com a idade, as ereções (até involuntárias) começam a ser mais freqüentes, e no pós operatório, elas trazem dor, e podem até estourar os pontos…
Bom, eu fui convencida que era o melhor a fazer. Porém, apesar de considerá-lo um bom médico, operou meu marido, eu achei que ele não tinha lá muito jeito com criança. E resolvi buscar uma nova opinião, agora com um urologista infantil.

A pediatra das crianças então me indicou um médico, mas ele não atendia meu convênio, e por sorte a atendente me disse que a esposa dele atendia, e marcamos com ela. Ela atende nos consultórios do Hospital Infantil Sabará. (se alguém tiver interesse, me manda um email que passo o nome dela, não sei se posso publicar aqui no blog…)
Fomos na consulta e apesar dela não ter entrado nesses detalhes da vida adulta que o outro médico entrou e que achei que foram muito importantes na minha decisão, ela também disse que não tinha jeito, os precisavam operar. (talvez ela não tenha entrado em detalhes porque me lembro que já cheguei falando tudo que o outro médico tinha falado, rs)

A CIRURGIA

Ela sugeriu que marcássemos durante as férias escolares, porque, apesar de o repouso absoluto ser de 1 semana, durante um mês ainda é preciso ter bastante cuidado, não freqüentar atividades físicas, etc. E mesmo que a criança não participe de tais atividades na escola, só o fato de ir pra escola já é meio que um risco, as crianças correm, empurram umas às outras sem querer, e o risco de uma batida no local é grande. E isso seria bem ruim para a cirurgia.
Então deixamos para as férias de JULHO, logo na primeira semana.
A cirurgia em si não é complicada. Eles tomaram duas anestesias combinadas, uma inalatória, que faz eles dormirem, e outra local.
Lá no Hospital que fiz, entrei com eles até o centro cirúrgico, e só saí de lá quando eles já estavam dormindo(um de cada vez, claro). Enrico foi primeiro, e quando saiu e foi pra sala de recuperação ainda dormindo, acompanhei Pedro até o centro cirúrgico, e depois que dormiu, voltei para esperar Enrico acordar.
Quando Pedro voltou colocaram os dois lado a lado, para podemos eu e o papai, ficarmos junto dos dois.
A cirurgia durou menos de 1 hora, e , Enrico acordou bem, não estava desorientado, nem assustado. Comeu um lanchinho, quis fazer xixi, estava bem. Pedro já acordou mais assustado, com medo e chorava dizendo que estava com dor, mas o anestesista explicou que a anestesia local duraria de 4 a 6 horas para passar. Ele estava mesmo era com medo de tudo aquilo.
Subimos para o quarto, eles almoçaram, e estava bem. Pedro o tempo todo com medo, medo de fazer xixi, de doer etc. Enrico já levou melhor essa parte do hospital.
Viemos embora e eles ficaram incomodados com o carro, o chacoalhar. Já li relatos de crianças que saem com curativo do hospital, mas no caso deles não havia curativo nenhum.
Vieram com remédios para dor prescritos de 3 em 3 horas nos 3 primeiros dias, além de pomadas que tinha que passar por 1 semana.
Eu não vou mentir, a primeira noite aqui foi muito difícil. Eles mesmo medicados, sentiam muita dor, choravam, gritavam, foi difícil. Viramos acordados, eu passei mais de 30 horas sem dormir. MAS, não se assuste, porque eu já tinha lido muitos relatos em blogs, e todos eles haviam sido mais tranqüilos. Então eu acho que isso vai muito de crianças para criança.
A partir do segundo dia, Enrico já estava elétrico, brincando pela casa, correndo ( não pode! A gente sempre precisando chamar atenção), enfim…enquanto Pedro não queria nem andar pra ir ao banheiro. Um drama que só.
Os dois não quiseram vestir roupa de jeito nenhum. Aliás, vieram do hospital vestidos, mas Pedro ao chegar, a cueca estava grudada no pipi, e ao desgrudar sangrou um pouquinho. Foi o suficiente para passar os dias seguintes pelado pela casa ( em pleno julho). Enrico depois que viu Pedro sem roupa também quis tirar e quando tentávamos, ele tinha pavor e não deixava.
Dica: uma seguidora do instagram me indicou um spray pós cirúrgico para aliviar a dor, que a médica não tinha receitado. Daí mandei mensagem pra ela e ela me receitou. Pedro disse que aliviou. Então já pergunte ao seu médico para usar desde o primeiro dia…aqui só soubemos no segundo…
Aos poucos foram melhorando.
Tiveram retorno na médica com 1 semana, e estava tudo bem. Foram liberados do repouso absoluto,porém, teriam que esperar o retorno de 1 mês para serem liberados para correr, jogar bola, nadar, ir ao parquinho(gangorra, aquelas barras de subir), andar de bicicleta.
Ela liberou para irem passar uns dias na casa dos avós (viagem longa), desde que cumprissem o “repouso” que citei acima.

Hoje,no dia que escrevo o post, completam 2 semanas da cirurgia, meu pai disse que eles nem lembram, não sentem nada, já deixam lavar e passar a pomada sem reclamar. Com 10 dias pós cirurgia voltaram a usar cueca! Já não incomoda mais.

O meu conselho para quem tem meninos: se tem dúvida, investigue! Se for aconselhado pelo médico que faça a cirurgia, faça o quanto antes. A recuperação é muito melhor quanto menor a criança for. Não perca tempo!

Print Friendly, PDF & Email

author-avatar

Larissa Paganini, mãe do Pedro (9 anos) e do Enrico (3 anos). Formada em Hotelaria, e Pós Graduada em Eventos, descobriu o melhor da vida: cuidar dos seus filhotes. Apaixonada por culinária,chocolate e cheiro de filho!

7 Comentários para "Postectomia - Cirurgia da Fimose em Crianças"

  • comment-avatar
    Chelle 18 de julho de 2018 (21:17)

    Thanks so much for the post.Really thank you! Keep writing.

  • comment-avatar
    Kellen 20 de setembro de 2018 (21:07)

    Olá!
    Obrigada pelo seu depoimento.
    Tô mt aflita pois meu filho de 2 anos terá que fazer,segundo a Pediatra.
    Qual nome desse spray que vc passou?
    Desde já agradeço.

    • comment-avatar
      Larissa Paganini 24 de setembro de 2018 (12:08)

      Olá Kellen, tudo bem?
      Fique tranquila, vai dar tudo certo!
      É só você pedir para o médico, spray anestesico pós cirurgico! Ele sabe qual é!
      um abraço,
      Larissa

  • comment-avatar
    Sheila Ramos Caldas 24 de setembro de 2018 (17:51)

    Olá Larissa, tudo bem???? Estou querendo marcar a cirurgia do meu filho no Sabará tb porque tem isso de poder entrar com ele na sala de cirurgia até ele apagar e estar com ele de volta ao retornar da cirurgia… Você pode me passar o nome da médica que fez a cirurgia dos seus filhos???? Vou passar meu email para você.
    Muito obrigada, Sheila.
    email:sheila_caldas@yahoo.com.br

  • comment-avatar
    Kellen 26 de setembro de 2018 (19:18)

    Oi Larissa !
    Muito Obrigada ! Vou pedir o spray sim!
    Deus abencoe sua familia!
    Abraço.
    Kellen

  • comment-avatar
    MARIA CLARA JANEIRO 15 de outubro de 2018 (11:10)

    Olá, gostaria do contato da médica e do nome do spray, você pode me passar por favor.

Clique para Comentar!