A “participação” do pai…

Ontem fui a uma festinha de criança, e vendo que eu estava boa parte da festa sentada, comendo e conversando, uma das mães que estava na mesa e que não é de meu convívio disse:

– “Nossa, seu marido ajuda bastante né..?.” (referindo-se ao meu marido que ficou correndo atrás do Enrico quase que toda a festa).

Eu respondi: “sim…”. Mas na verdade eu queria dizer: olha, não é que ele ajude, ele faz o que tem que fazer né… porque cuidar dos filhos não é uma função MINHA e que ele tenha que AJUDAR…ele é o PAI… logo, essa função é NOSSA!

Porque na minha cabeça, PAI  não é ajudante… o pai é companheiro da mãe, nessa viagem que decidiram fazer juntos, lado a lado. Ele tem as mesmas obrigações em relação à criação, educação, etc.

Eu tive um pai assim, que trocou fralda de filho, de neto, que cuidou ,brincou, mimou,  que deu bronca, orientou…enfim..fez tudo que o pai deve fazer. Do tipo que sabia qual remédio dar pras filhas com cólica menstrual. Não tinha em casa aquela divisão isso só o pai faz ou só a mãe. Exceto quando nos machucávamos, porque minha mãe, assim como eu (ou eu como ela!?) não podia ver sangue e a gente já gritava: Paiêêê!!!

Então aqui em casa é natural que o pai faça o que se precisa fazer, sem muito “não troco fraldas”, “não faço isso ou aquilo”…

Graças a Deus o meu marido divide muito as tarefas comigo, tanto na casa como com os meninos. Ele não sabe fritar um ovo, mas está sempre disposto a lavar a louça. Passa um mop na cozinha no fim de semana por livre e espontânea vontade…estende a roupa no varal se eu tiver que fazer outra coisa e a maquina desligar enquanto ele está em casa…passa um aspirador (ainda que do jeito dele, onde “a visita vê”rs)… é ele quem faz o café de manhã e prepara o café da manhã do Pedro, dá o banho e ajeita pra escola cedo… No fim de semana, os banhos dos meninos são com ele, e outras coisas relacionadas à eles também…

Se ele faz tudo perfeito? Não! Faz muita coisa errada, digo, não faz do jeito que EU QUERIA QUE FIZESSE… e eu sou reclamona…(inclusive tenho uma meta pessoal, que é reclamar e exigir menos, não só dele, mas de mim mesma e dos meninos!), mas faz. Do jeito dele, mas faz.

Eu acho que o pai pode não fazer a sua parte por vários motivos…

  • Pode ser que o cara seja folgado mesmo, e ache que “isso é função da mãe”- parece ridículo, mas já vi muitos assim!
  • Pode ser porque a própria mãe não dê abertura -também já vi mãe que simplesmente não deixa outra pessoa cuidar da cria, nem mesmo o próprio pai!
  • Tem gente que exige demais (um pouco como eu) e quando o pai, coitado, tenta fazer alguma coisa e sai errado (pura falta de prática ou de jeito né gente! Eles não tem o tal do instinto materno!rs) daí a mãe já arranca a criança da mão e não deixa mais que ele tente desempenhar a função!! (confesso, já fiz isso com meu marido algumas vezes!)

Acredito que, para todas as alternativas acima, pode haver um jeito. Uma boa conversa pode resolver no primeiro caso, explicando para o marido, qual é o papel do pai de verdade na vida da criança. Uma boa dose de paciência com ele e consigo mesma, para deixar que ele faça, erre, aprenda e viva essa paternidade de verdade também são bem-vidas.

A “participação” do pai é importante não só para ele, nem só pra você, que se alivia um pouco das tarefas; mas para o filho, que pode usufruir de momentos únicos com o pai e que vai levar consigo por toda a vida, dentro do coração!

Larissa Paganini

Larissa Paganini, mãe do Pedro (7 anos) e do Enrico (1 ano). Formada em Hotelaria, e Pós Graduada em Eventos, descobriu o melhor da vida: cuidar dos seus filhotes. Apaixonada por culinária,chocolate e cheiro de filho!

Sem comentários para "A "participação" do pai..."

    Clique para Comentar!