Cama compartilhada – a NOSSA experiência.

Antes de começar; gostaria de deixar claro que aqui vou relatar a experiência que tivemos aqui em casa. Não estou dizendo que é certo ou errado compartilhar a cama, não é o objetivo desse post.

Pedro dormiu muito mal até completar 1 ano. Acordava a noite toda, era cansativo. Um dia fomos pra praia, e ele dormiu num colchão no chão. Era maior, sem grades, e ali ele dormiu bem melhor. Chegando em casa, eu quis fazer o teste, e coloquei um colchão no chão no meu quarto. Também dormiu melhor.

Mas algumas semanas depois, ele ficou doentinho, e acabei colocando pra dormir na minha cama. E ali ele foi ficando. Dormia melhor, a noite toda, e confesso, era gostosinho tê-lo ali pendurado no nosso pescoço!

Quando ele foi ficando maior, e com a pressão da família, de que ele não deveria dormir com a gente, tentamos várias coisas. Começamos com uma mini cama de carrinho que ele ficou louco uma vez. O primeiro dia foi uma festa, mas no meio da noite ele já estava de volta na minha cama.

Insisti por meses, mas ele sempre falava que a cama era apertada, ou que sentiu frio…cada dia era uma desculpa. O que ele queria mesmo era o cheirinho da mãe!rs

Então trocamos por uma cama de solteiro. Ele achou o máximo também, uma cama só pra ele. Mas, não vingou de cara. Depois de algum tempo, que ele começou por vontade própria querer ir pra cama dele. E isso ele já tinha 4 anos.

Mas foi sem trauma, sem estresse.

Não vejo hoje nenhuma consequência desse período na vida dele.

Enrico não dorme a noite toda até hoje, 1 ano e 7 meses. E no desespero por uma noite de sono eu acabei fazendo de tudo. Resisti à cama compartilhada até pouco antes de 1 ano, quando eu vi que não tinha mais saúde física nem emocional para levantar da cama de 8 a 14 vezes por noite.

Ele então veio para a minha cama. Mas não dormiu a noite toda! Porém, era muito mais fácil pra mim apenas sentar e já amamentá-lo! Também desmamei com 1a 3m na expectativa de tomar uma mamadeira e dormir, de tanto ouvir que o dia que ele tomasse uma mamadeira, ia pesar no estômago e ele dormiria. Mas isso não aconteceu!

Mas hoje ele dorme melhor, algumas noites ele estica umas 6 ou 7 horas seguidas, e quando não estica eu nem preciso levantar da cama, ele acorda, me chama “mamãe, tetê”, eu me viro, faço a mamadeira que já deixo engatilhada do lado da cama, ele mama e dorme de novo.

É assim que tem funcionado na minha casa, na minha família.

De novo eu digo, passa rápido e logo ele vai, por vontade própria, querer sua caminha. É gostoso poder ganhar um bracinho no pescoço na madrugada, dar um cheirinho naquele pescocinho delícia! Aqui tanto eu como o marido curtimos um chamego de filho! E olha, fico com remorso de pensar no Pedro sozinho na cama dele! Se coubesse na minha, chamaria todo mundo!rs

Uma psicóloga uma vez me falou que a cama compartilhada é uma fuga dos pais, um sinal de que o relacionamento não está bom. Colocam a crianças ali no meio para, inconscientemente se afastarem. Eu não sou psicóloga e não posso criticar a visão dela sobre isso. Mas posso dizer que no meu caso, na minha casa, não foi nada disso. Uma coisa não tinha nada a ver com a outra. Não estávamos em crise e não entramos em crise por isso.

Claro, que, você não vai namorar com a criança no mesmo quarto que você né! Mas isso não te impede de ter uma vida de casal normal, apenas saindo do seu quarto! Ponto final! Sem neuras!

Na época do Pedro os comentários externos me incomodavam, porque eu era aquela mãe que queria fazer tudo certinho, e, se haviam críticas, era porque eu estava errada!

Mas hoje, com Enrico, eu vejo que eu posso ser a mãe que eu quero ser. Se meu filho dorme na minha cama, isso só diz respeito ao meu marido e a mim. Ninguém tem nada a ver com isso!

Por isso, hoje eu posso dizer, sem medo de críticas, que aqui amamos a cama compartilhada, a gente adora esse bolo de gente! Aqui é todo mundo Felício! (só as 1980´s entenderão!) Gosta de agarro, de cheiro, de beijo e abraço, e a gente ama ficar bem grudadinho!

(não que quem não faça a cama compartilhada não goste de tudo isso, por favor hein gente!!! )

O que eu acho mesmo é que cada família, tem que fazer o que é melhor pra ela. O que se encaixa melhor na vida delas. Sem medo de julgamentos, sem se prender ao que é “certo” e “errado” nos Manuais de “Como criar os filhos”!

Naquela época eu tinha medo do julgamento da família e amigos, hoje eu vejo que além desses, as pessoas tem medo dos julgamentos gerais, dos conhecidos, dos virtuais, porque hoje todo mundo está disposto a te levantar o dedo e dizer que você está fazendo errado! Mas ninguém sabe, de verdade, o que se passa na sua vida, a sua dor, o seu cansaço, a sua realidade.

 

Atenção: A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) condena a cama compartilhada devido ao risco de morte súbita do recém-nascido.

Larissa Paganini

Larissa Paganini, mãe do Pedro (7 anos) e do Enrico (1 ano). Formada em Hotelaria, e Pós Graduada em Eventos, descobriu o melhor da vida: cuidar dos seus filhotes. Apaixonada por culinária,chocolate e cheiro de filho!

2 Comentários para "Cama compartilhada - a NOSSA experiência."

  • Mari 24 de agosto de 2016 (16:20)

    Aqui tb rola a cama compartilhada!
    Quando a minha filha nasceu, o meu marido ficou com medo de deixá-la sozinha no berço no quarto dela, daí a colocamos no carrinho e ela ficou dormindo no nosso quarto.
    Logo depois ele comprou aqueles cercadinho q podem ser beicinho tb, e mais uma vez ela não foi para o berço.
    Daí uma noite, ela com febre, tossindo mt, colocamos ela pra dormir comigo na cama e meia marido dormiu na sala. Foram dois dias e a minha vida mudou.
    Nunca mais ela quis dormir sozinha no berço, então estamos na cama compartilhada há 1 ano. Tem dias que é dose, ela ainda não largou o peito e tb não aceita a mamadeira. Aí fica naquela chupetação e me irrita. Mas passa quando ela acorda e dá aquele sorriso mais lindo do mundo e me chama “manhê” 😍❤

  • sarah 23 de setembro de 2016 (17:07)

    Adoro seus textos Larissa, sempre cheios de ternura com os pitocos ❤ Que saco esse negocio de ter que viver se defendendo! So depois que me tornei mãe que percebi como eu era critica e maldosa! Mas hoje tento me redimir com o universo e tentar entender a forma de cada um criar seu filho.
    Aqui em casa rola de tudo 😃 meu bebê de 1a8m geralmente dorme no berço no meu quarto. Às vezes quando ele chora e me chama acabo não resistindo e trazendo pra minha cama. Mas ele é muito agitado! Não para!!! Morro de medo de cair da cama, dai meu sono acaba. Ele ainda não dorme a noite toda, mama bastante. Queria saber quem inventou essa história de que leite artificial enche a barriga…
    Apesar do cansaço sigo respeitando o ritmo dele e curtindo cada dia .
    Super beijo
    Sarah Thomé

Clique para Comentar!