Amamentação e Desmame

Quando você está grávida, e vê comerciais de mães amamentando, fotos no Instagram de mamães amamentando, acha que é tudo lindo e simples. Colocou o bebê na posição e pronto, ele sai mamando. Que sensação maravilhosa.

Sim, a sensação é maravilhosa, depois que já deu tudo certo. Alguns bebês tem mais facilidade para a pega correta, outros não. Algumas mães tem mais dificuldade para a descida do leite, outras não. Alguns peitos racham e até sangram, outros não.

Mas no fim, quando tudo se ajeita, aí sim, é maravilhoso.

E depois vem o desmame,que também pode ser fácil, ou não. Eu tenho duas experiências com amamentação distintas e vou contar as duas…

Há três dias, Enrico não mama mais no peito. Foi um processo tranqüilo e natural, mas… não foi assim nos dias que antecederam o fim..

Enrico sempre mamou em livre demanda. Já nasceu com a pega certa, na maternidade, primeiras mamadas, boquinha de peixinho e dá-lhe sucção! Suas mamadas sempre foram rápidas, mas eficientes. Um peito por vez. (como tudo, ele não tem paciência para fazer a mesma coisa por muito tempo!).

Mamou por 1 ano e 3 meses. Ouvi muito aquela perguntinha idiota:”não vai desmamar esse menino?” , “vai dar o peito até quando?” , “nossa, ele ainda mama no peito?”, etc… no começo eu tentava explicar sobre os benefícios da amamentação prolongada, mas aprendi a abstrair e responder só com um “sim”, um sorrisinho de canto de boca, ou um “pois é”…só pra finalizar o assunto.

Eu não tinha problema em amamentar, não me atrapalhava e eu sim, curtia. Exceto quando o ato passou a ser uma “chupetação” e acontecia várias vezes durante a noite. Quando eu digo várias, não são três, nem cinco. Já contei catorze vezes em um intervalo de 6 horas. Não era fome. Muitas vezes ele simplesmente colocava a boca no peito e voltava a dormir, nem tentava sugar.

Ele precisava daquele aconchego, daquele acalento do meu colo. Mas não bastava pegar no colo, enquanto eu não colocasse o peito pra fora e ele não colocasse a boca, não parava de chorar.

Porque eu não dei chupeta? Eu dei! Desde que nasceu, mas com uns 7 meses ele largou sozinho. Elas estão aqui, vira e mexe eu tento dar, ele chupa um pouco, mas não faz parte da sua vida. (parece até engraçado uma mãe querendo que o filho pegue a chupeta, mas no caso dele, que estava chupetando o peito, seria uma maneira de fazê-lo voltar a dormir sozinho, se ele mesmo pegasse a chupeta no meio da noite, mas não tive sucesso).

Essas noites intermináveis duram há alguns meses. Nesse tempo, fui tentando introduzir a mamadeira a noite (também ouvi mais de mil vezes que ele não dormia porque tinha fome, leite fraco e blá blá blá – sempre com um sorrisinho no rosto, não se esqueça – que era pra eu dar uma mamadeira, etc.).

Na verdade eu comecei a dar para ele ir se acostumando, mas mesmo que mamasse uma mamadeira cheinha, logo uma ou duas horas depois acordava e queria o peito.

Durante o dia, eu não podia sentar que ele já vinha puxando minha blusa, e se eu estivesse em pé e pegasse ele no colo, ele já deitava no meu colo, se posicionando.

Na consulta de 1 ano de 3 meses, a pediatra conversou bastante comigo, e me disse que talvez fosse chegada a hora de desmamar. Tudo de melhor que eu poderia ter dado foi oferecido, e  a amamentação é sim importante, mas quando começa a gerar mais malefícios do que benefícios, é hora de se repensar.

Malefícios porque ele não estava mamando, estava chupetando e criando uma dependência muito grande minha. O fato de acordar várias vezes durante a noite, prejudicava a ele e a mim também. Minha imunidade estava baixa, eu andava irritadíssima, e essas “mamadas” da madrugada estavam me deixando estressada, eu já acordava irritada, às vezes pegava ele no colo já chorando.

Saí do consultório decidida, ela me orientou a procurar meu ginecologista e pedir uma injeção para secar o leite. Só consegui consulta na semana seguinte e naquela semana, aproveitei para amamentar muito.

Mas o psicológico da gente é engraçado. Eu amamentei já com remorso de tirar aquele momento dele. E cada vez que ele me olhava nos olhos enquanto mamava, eu despencava, pensando naquele momento perdido que eu teria.

Na consulta do ginecologista, ele me disse que nem existe mais essa injeção, e hoje é usado para isso um outro remédio, que é pra outra coisa, mas tem efeito secundário secar o leite. Ele me receitou, mas me orientou primeiro, tentar fazer a coisa de forma mais natural. A dica que ele me deu: enfaixar o peito, ou passar alguma coisa vermelha no peito e dizer que está dodói, que não dá pra mamar…(saí de lá pensando: “afe, ele não conhece o Enrico!rs”). Por ser meu médico há 8 anos, me acompanhar desde a gravidez do Pedro  (foi ele que colocou meu implante anticoncepcional) por eu ser hipertensa, ele pediu que eu tentasse primeiro da maneira natural, sem auxílio de remédio.

Essa consulta foi numa segunda feira e na quarta Enrico passaria por um exame onde teria que estar dormindo para realizar, e eu resolvi não fazer nada até lá, porque o peito poderia ajudá-lo.

Durante esse exame, ele mamou umas duas horas seguidas, sem brincadeira. Eu tirava de um peito, passava pro outro. Porque ele deveria estar dormindo e a única forma de acalmá-lo era deixá-lo chupetar. E ali ele ficou naquela “chupetação” por pouco mais de duas horas.

Naquele dia meu peito “assou” e à noite eu só dei a mamadeira, e ele aceitou.

No dia seguinte, quando voltou da escola, eu sentei no chão para brincar e ele veio chegando já pra mamar, levantei correndo e o distraí. Eu tinha decidido cortar de vez. Ao invés de colocá-lo no peito para dormir, deixei -o no carrinho vendo TV até que pegou no sono.

Mas meu peito estava cheio, duro, fui pro banheiro para massagear e tirar o leite. E começou a esguichar. A cada esguicho, eu chorava. Pelo leite que estava jogando fora, pelo momento que eu estava perdendo com ele. Mãe é assim.

Conversando com duas amigas, elas me disseram que talvez EU não estivesse preparada para o desmame. E acho que elas tinham razão. Eu não estava preparada para não ter aquele olho no olho, aquela sensação de super mulher nutrindo seu filho e o pior, como era EU que estava tirando, e não ELE largando, eu me sentia culpada.

Decidi então que faria a coisa aos poucos. Ia amamentar só antes de dormir, ou só de tarde, ia ver como seria.

No dia seguinte, ele mamou à tarde. À noite dei mamadeira. (ah e não pense que ele esta dormindo bem por causa da mamadeira não! Ainda acorda, mama 3 mamadeiras durante a noite, as vezes não mama toda, mas já aceitou por exemplo que eu não pegue no colo).

Daí no dia seguinte ele mamou à noite apenas, passamos o dia na rua, muita distração etc… e só hoje, três dias depois, percebi que aquela foi a última mamada.

Ele simplesmente não pede mais. Eu não ofereci mais, e ele não veio procurar. A culpa foi embora, porque agora, é ele quem não quer mais!

Depois que eu desencanei, foi mais fácil. Enquanto eu tinha aquela coisa do “não vou dar”, ele procurava e eu negava, foi um stress, ele ficava irritado, etc…

Então a dica que eu dou, se você precisa desmamar, é que não corte de uma vez, assim, de um dia pro outro. Vá diminuindo as mamadas , depois deixe de oferecer no automático porque “é hora de mamar” (tipo na hora de dormir), espere a crianças procurar, até que ela mesma não queria mais.

No primeiro dia meu peito ainda estava cheio, dois dias depois, já esta produzindo bem menos ( eu vejo que tem leite, mas não está mais vazando, duro , nada) e assim o organismo vai entendendo que não há mais necessidade de produção e seca por completo.

 

Como já me estiquei demais, vou contar rapidamente sobre o Pedro! Mamou até 1 ano e 2 meses, mas ele largou naturalmente,sem que eu pensasse no assunto! Ele mamava bastante, mas com horário certinho, eu era controladora, mamava os dois peitos e eram mamadas demoradas, preguiçosas… Mas nunca foi dependente, de chupetar, de querer o peito só para estar ali… demorou para aprender a pega correta na maternidade, e quando veio pra casa eu tinha que insistir na correção da pega.

Nos dois casos meu peito rachou e eu amamentei com dor nos primeiros dias, mas logo passou!

Cada filho é um filho, mas as angústias, as culpas, e principalmente o amor, é sempre o mesmo!

Larissa Paganini

Larissa Paganini, mãe do Pedro (7 anos) e do Enrico (1 ano). Formada em Hotelaria, e Pós Graduada em Eventos, descobriu o melhor da vida: cuidar dos seus filhotes. Apaixonada por culinária,chocolate e cheiro de filho!

5 Comentários para "Amamentação e Desmame"

  • Patricia 4 de maio de 2016 (01:52)

    Olá, acompanho suas fotos no instagram.
    Meu nome é Patricia e tenho a Flora de um ano e três meses. A Flora é um bebe super tranqüila, apenas me da trabalho na hora de comer, tento de tudo, agora ta na fase só do arroz e polenta, e isso só na mão, não come direito na colher, vida dura de mãe, mas aliado a isso, tem amamentação, integral, livre demanda, qualquer horário, e acredite, ela é igual ao seu filho, as madrugas são longas, acorda muito! Escrevo para perguntar como foi a introdução de outro leite, ele aceitou de primeira, outorgam várias tentativas? Um beijo. E obrigada.

    • Larissa Paganini
      Larissa Paganini 4 de maio de 2016 (10:46)

      Patricia, tudo bem? Olha eu tento introduzir a fórmula desde dezembro. Na epoca não para substituir o LM , mas para que ele tivesse uma alternativa caso eu precisasse me ausentar, como ir ao hospital com o mais velho, etc (que ja me aconteceu). Ele a princípio rejeitou muito. Daí de repente mamava a mamadeira toda.Ja no outro dia, com a vó, não aceitava… olha, não foi fácil dele aceitar, mas eu não desistia e sempre que precisava fazia. Quando eu comecei a tentar a dar de noite antes de dormir, foram várias mamadeiras jogadas fora. Mas eu acho que o segredo é esse (assim como com a comida), mesmo que ele não aceite, ofereça. Aos poucos foi se acostumando. 😉 Só de uma semana pra cá que ele tem mamado de verdade, de tomar uma mamadeira inteira. Todos esses meses era uma mamadinha e deixava pra lá. Fale com seu pediatra e experimente trocar o leite, aqui foram tres diferentes até ele começar a aceitar. Beijo

      • Patricia 5 de maio de 2016 (14:04)

        Muito obrigada Larissa, vou fazer isso, tentar, tentar! Beijo

  • Mari 4 de maio de 2016 (03:46)

    Oi Larissa…estou na mesma situação que vc. Minha filha faz 1 ano e 6 meses na próxima quinta e ainda mama no peito. Na verdade eu acho q ela usa mais pra chupetar mesmo. Ela faz q nem o Enrico gosta do contato físico a noite inteira. E toda hora que me vê sentada quer mamar. Eu já não aguento mais. Não sei mais o que faço. O meu problema é que ela tb não quer saber de mamadeira. Aí já viu, né?!

  • Suzana Oliveira Carneiro Grangeiro 4 de maio de 2016 (10:56)

    Minha situação é igualzinha à da Mari, aí em cima. 1 ano e 3 meses e mama igual a um recém-nascido. Quer passar a noite pendurado no peito e já está chegando ao ponto, prejudicial, eu acho, de trocar refeições pelo mamá. Vamos viajar mês que vem e para não traumatizá-lo com tantas novidades, no retorno dessa viagem vou iniciar o desmame. Estou decidida, não aguento mais!

Clique para Comentar!