O que é um Quarto Montessoriano

Enrico, assim como o Pedro, nunca gostou do berço! Pedro só passou a dormir bem, no dia em que o coloquei para dormir num colchão no chão, do lado da minha cama. Eu nunca nem tinha ouvido falar em “Método Montessori”.

Não que o berço seja o motivo de o Enrico dormir mau, até hoje, com 1 ano e 1 mês, não conseguimos descobrir os motivos e já tentamos de tudo!(mas isso é assunto para outro post!). Fato é que, desde que Enrico ficou em pé, começou a escalar o berço, fui abaixando o colchão, mas quando não havia mais o que abaixar, resolvi tentar montar um Quarto Montessoriano. Só que meses se passaram e eu não consegui colocar em prática, acabei levando o berço portátil pro meu quarto, por outros motivos, e só agora, resolvi botar a mão na massa.

Fui pesquisar o assunto, li várias matérias, e no site Lar Montessori, achei uma bem bacana e decidir reproduzi-la em partes aqui, para que a explicação seja completa!

O primeiro passo para a montagem de um quarto infantil é adotar o ponto de vista da criança. Aquilo que ela puder acessar deve ficar ao nível de suas mãos. Os brinquedos dela são dela, e podem ser deixados em prateleiras baixas o suficiente para que os alcance. O mesmo se pode dizer de suas roupas. Se queremos que a criança se vista sozinha um dia, e saiba escolher o que vestir, devemos deixar pelo menos algumas de suas peças disponíveis para o acesso.

O ponto de vista da criança não é só a altura de seus olhos ou o alcance de seus braços, mas o comprimento de suas pernas. Um quarto muito grande no qual haja brinquedos e materiais por todas as paredes é pouco prático, caro, dá trabalho para limpar e organizar e a criança não consegue de nenhuma forma controle total sobre seu ambiente.

Então, aqui, vamos abordar três grandes tópicos:
1. A Cama
2. A Mobília
3. Os Estímulos

A cama da criança pode ser mesmo uma cama. Não precisa ser um berço, e eu vou dizer isso de novo: não precisa ser um berço. Quando comecei a estudar Montessori em casa, me parecia radical demais tirar o berço. Mas só é assim porque culturalmente somos criados para pensar que ele é necessário. Em dezenas de outras culturas (que não a branca ocidental), as crianças dormem no chão, em colchões ou almofadas dos mais variados tipos, a depender do povo. O que nós defendemos, com uma abundância de evidências positivas bastante animadora, é que a criança pode, sem risco de saúde ou segurança, dormir em um colchão, que pode ser colocado direito sobre o chão ou sobre um estrado baixo ou uma camada de borracha, para isolá-la da temperatura do piso.

Quando o bebê é pequeno, muitos pais gostam de proteger este colchão com almofadas, em volta, para que a criança não corra o risco de cair durante a noite. É uma ideia que pode ser boa, especialmente se o piso é frio, mas que não é essencial uma vez que a criança ultrapasse os primeiros meses de vida. Em nenhum momento uma cerca é necessária. A criança não precisa ficar presa se o quarto for adequado a ela, basta que fique segura. Até a possibilidade de cair é importante, porque a criança aos poucos aprende a controlar seu corpo durante o sono – Durante o dia, deixe a cama sem proteção alguma, para que seja fácil para seu filho subir e descer da cama quando desejar.

Ao lado do colchão, você pode deixar um tapete longo, para que a criança não pise direto no chão gelado quando acordar. Isso não é uma recomendação estritamente montessoriana, mas a tensão imediata dos pés de manhã cedo pode ser bem desconfortável e tensionar o corpo todo em seguida. Se o quarto for pequeno, ou se o piso for de madeira, isso é menos necessário.

A mobília do quarto infantil é simples. Não é necessário haver nada muito sofisticado, mesmo! As crianças gostam de ser, muito mais que de ter. Se pudermos proporcionar a elas a possibilidade de se tornarem seres humanos plenamente desenvolvidos, isso já as satisfaz. Assim, poucas coisas são realmente necessárias no quarto infantil: um espelho horizontal baixinho; estantes baixinhas; uma barra na parede; espaço livre e uma janela que ilumine bem o cômodo.

O espelho é interessante por diversos motivos. A criança pequena gosta muito do rosto humano. Por algum motivo biológico mesmo, é algo que lhe agrada. Assim, poder ver um rosto humano a qualquer momento sempre é bom. Fora isso, é importante para o bebê reconhecer seu próprio rosto, as possibilidades de movimento dele e as partes de seu corpo. Isso não se dá de forma consciente e nem é um processo imediato. Mas não temos pressa. O tempo da criança é interno a ela e nossa tarefa é só ajudar. Fora isso, enxergar-se pode ajudar a criança a se reconhecer como indivíduo, auxiliando no desenvolvimento da autonomia e da força de vontade. Por motivos de segurança, o espelho precisa ser muito bem preso. Pode ser de vidro, bastando ser bem colado em uma placa firme de madeira ou MDF.

As estantes baixas não precisam ser construídas à parte – embora possam, se você assim o desejar, e isso só será positivo. Você pode adaptar os armários que já existem, tirando suas portas, colocando puxadores mais para baixo ou simplesmente deixando as portas sempre abertas. Usar as gavetas de baixo para colocar as roupas às quais a criança pode ter acesso também é uma boa ideia. Você não precisa nem deve colocar todos os brinquedos e todas as roupas à disposição do seu filho de uma só vez. No livro Montessori: The Science Behind the Genius, Lillard explica que até seis opções são uma boa ideia, porque aumenta a sensação de bem estar da criança. Mais que isso começa a ser demais e muito mais que isso fica realmente confuso. Você pode praticar uma rotação de objetos e deixar sempre presentes aqueles que a criança gosta mais e ir trocando aqueles que ela escolha com menos frequência.

A barra na parede tem uma utilidade só: ajudar a criança a andar, sem depender da ajuda direta dos pais. Pode-se pendurar objetos nesta barra, com espaços de intervalo, para que a criança tenha objetivos a atingir quando tentar caminhar. A utilização da barra precisa ser ensinada, claro, devagar, passo a passo, e quando você perceber que seu filho está tentando levantar e dar os primeiros passos. Abarra poder ser daquelas de cortina, mesmo, bem presas a mais ou menos 50cm do chão- isso vai variar conforme a altura de seu filho.

O espaço livre aumenta se o quarto é feito seguindo algumas dessas dicas. Diminuem os móveis, e a dimensão dos que sobram é menor. Assim, a criança tem mais espaço para brincar, aprender, se mover e ser livre. A janela é importante para que haja luz natural no quarto, que faz sempre bem.

Os estímulos de que a criança precisa são os do mundo que a cerca. Os brinquedos e os materiais, assim como os livros, não precisam ser muitos e nem muito sofisticados. Madeira e metal são os melhores materiais para brinquedos, porque realmente oferecem prazer para os sentidos, muito mais que plásticos.

Os livros não precisam ser materiais sensoriais. Eles podem ser só de leitura, e o exercício de abrir, ver figuras e virar páginas já será interessante para a criança. Especialmente se os pais lerem para a criança e para si mesmos (é muito, muito importante que os pais leiam como atividade de lazer, sozinhos, para estimular a leitura nas crianças). Evite a todo custo livros que emitam sons. Excessos de estímulos não fazem bem para a criança e fazem com que a atenção dela seja desviada de qualquer foco possível.

Vale a pena ter instrumentos musicais e um rádio, no qual podem tocar, por períodos do dia, músicas de compositores clássicos, em geral adorados pelos pequenos. Os instrumentos podem ser uma flautinha doce simples e boa, um violão, um chocalho ou um tambor.

fonte: www.larmontessori.com – acesses para o texto na íntegra.

 

Bom, eu resolvi fazer um quarto INSPIRADO no método Montessoriano, mas não vou segui-lo à risca.(que fique claro!).

Vou aproveitar o que já tenho no quarto dele. No próximo post vou mostrar como era, e como estou montando o quarto, para que fique um espaço seguro, prático e funcional.

***todas as imagens desse post foram retiradas da internet, caso você seja autor de alguma delas, entre em contato para que os créditos sejam concedidos ou a imagem seja retirada se desejar.***

Print Friendly, PDF & Email

Larissa Paganini

Larissa Paganini, mãe do Pedro (7 anos) e do Enrico (1 ano). Formada em Hotelaria, e Pós Graduada em Eventos, descobriu o melhor da vida: cuidar dos seus filhotes. Apaixonada por culinária,chocolate e cheiro de filho!

Sem comentários para "O que é um Quarto Montessoriano"

    Clique para Comentar!