10 perguntas e respostas sobre o Estrabismo Infantil

Muita gente tem dúvidas sobre o assunto, e hoje, a oftalmopediatra e especialista em Estrabismo,  Dra. Marcela Barreira, respondeu à algumas perguntas  para esclarecer melhor o assunto! Se você tem dúvidas não deixe de ler!
1- O que é o Estrabismo Infantil?

O estrabismo na verdade tem algumas classificações: temos o estrabismo congênito, que é o desvio que nasce com o bebê ou aparece já nos primeiros dois meses de vida e temos o estrabismo de aparecimento um pouco mais tarde: após os 4-6 meses. Esse é o estrabismo infantil, mas ele tem várias causas e pode ser um desvio dos olhos para dentro ou para fora. 

 
2- Quais as causas do Estrabismo Infantil?
A causa do estrabismo ainda não é bem estabelecida. Sabe – se, hoje, que tem um caráter genético, então crianças com familiares que tenham estrabismo ou tenham tido estrabismo na infância tem mais chances de ter. Além disso, como alguns estrabismos estão ligados a graus altos, historia familiar de altos graus também podem aumentar as chances da criança ter grau e, consequentemente, estrabismo.
 
3- Existem tipos diferentes da doença?
Sim. Existem diversos tipos de estrabismo. Os mais comuns são os estrabismos convergentes, em que o olhinho entorta para dentro e os estrabismos divergentes, em que o olhinho entorta para fora. 
 
4- A partir de qual idade a criança pode ser diagnosticada com Estrabismo Infantil? Além do desalinhamento dos olhos, existe algum outro sintoma que devemos observar? 
A criança é diagnosticada com estrabismo assim que o mesmo se manifesta. Durante uma avaliação oftalmológica é possível detectar qualquer estrabismo mesmo em crianças bem pequenas. O desalinhamento dos olhos, para fora ou para dentro, são os sinais mais evidentes e mais fáceis de serem detectados pelos pais. Dependendo do tipo de estrabismo tempos sinais mais específicos, como por exemplo: crianças que apresentam os olhinhos desviados para fora, no geral, apresentam muito desconforto na claridade e costumam fechar um dos olhos quando expostos ao sol. 
 
5- O Estrabismo Infantil tem cura?
Os desvios oculares podem ser tratados sim. Dependendo da causa, o tratamento é diferente. Nos casos em que o tratamento é cirúrgico, os resultados são bons e ele pode sim desaparecer. Contudo, as crianças que tem estrabismo desde muito pequenas podem precisar de mais de uma cirurgia para atingir um bom alinhamento dos olhos. 
 
6 – Ele pode desaparecer sozinho, sem tratamento?
Não. O estrabismo não desaparece sozinho. O que acontece com alguns tipos de estrabismo, principalmente os desvios para fora, que são intermitentes como chamamos porque ora o olho está desviado e ora o olho esta normal (alinhado), é que a criança consegue controlar bem o desvio, tornando o estrabismo pouco visível. Quando a causa do desvio é grau, o desvio desaparece com o uso correto dos óculos, tornando – se evidente ao retirar a correção.  
 
7 – Como é o tratamento para o Estrabismo Infantil?
Então, o tratamento do estrabismo depende da sua causa. Os estrabismos causados por graus altos são tratados com o uso de óculos. Sempre lembrando que os olhos ficam alinhados enquanto a criança está usando o grau. Toda vez que se retira os óculos o olho volta a entortar.
Os demais estrabismos são, no geral, tratados com cirurgia. O uso de tampão, que muitos acham que serve para tratar o desvio, serve na verdade para tratar uma consequência do estrabismo que é o olho preguiçoso. Quando a criança desvia um olho, o cérebro dela automaticamente apaga a imagem desse olho desviado – isso é chamado de supressão. Se essa imagem fica sendo suprimida o tempo todo, o olhinho não desenvolve a visão. E é esse mau desenvolvimento da visão nos olhos com estrabismo que chamamos de ambliopia, ou olho preguiçoso. Coloca-se, então, o tampão no olho bom da criança, para estimular a visão desse olho que está com a visão ruim. O tampão NÃO cura estrabismo e não serve para alinhar o olho e sim para tratar consequências geradas pelo desvio dos olhos. O tampão ainda é usado nas crianças com desvio para fora, de forma alternada, como tentativa de melhorar o controle do desvio, mas novamente, ele não cura e sim pode ajudar a controlar melhor e deixar o estrabismo menos evidente.
 
8 – A falta do tratamento correto pode acarretar num agravamento do problema? 
A falta de tratamento do estrabismo pode gerar algumas sequelas. A principal delas é a perda da visão de profundidade (a visão 3D), porque toda criança que apresente desvio nos olhos não consegue desenvolver a chamada visão binocular, ou visão de profundidade. Esse é um dos principais motivos para indicar o tratamento cirúrgico precoce nessas crianças. Além disso, quando não tratado e acompanhado o estrabismo pode gerar ambliopia ou olho preguiçoso, como falei anteriormente. O aumento e a descompensação do desvio também é algo que pode acontecer caso a criança não seja tratada de forma adequada. 
 
9- O estrabismo infantil pode se prolongar para a vida adulta?
Pode. Um desvio não tratado na infância não ira desaparecer e se perpetuará até a fase adulta. Os desvios que tendem a amenizar ou até desaparecer na fase adulta são aqueles ligados a altos graus de hipermetropia. Com o crescimento, esse grau pode sofrer uma regressão e isso gerar uma melhora do desvio ocular. 
 
10 – O estrabismo afeta a visão da criança?
Como havia mencionado antes, o estrabismo pode gerar a ambliopia, que é um olho preguiçoso, deixando aquele olho com um déficit visual, que se não tratado ate os 07 anos, pode ficar como sequela definitiva. Além disso, a visão de profundidade é a visão mais acometida nas crianças com estrabismo. 
Aqui no blog, você encontra outra matéria feita com a Dra. Macela Barreira, sobre a importância de levar o bebê ao oftalmologista!
Dra. Marcela Barreira é Oftalmopediatra e especialista em Estrabismo pela Unifesp e Neuroftalmologista pela USP, sócia da clínica Neuro Kinder e é a Oftalmo do Pedro e do Enrico! Siga no Instagram: @dra_marcelabarreira e veja muitas dicas e informações importantes!
*imagem gentilmente fornecida pela Clínica Neuro Kinder.
Print Friendly, PDF & Email

author-avatar

Larissa Paganini, mãe do Pedro (7 anos) e do Enrico (1 ano). Formada em Hotelaria, e Pós Graduada em Eventos, descobriu o melhor da vida: cuidar dos seus filhotes. Apaixonada por culinária,chocolate e cheiro de filho!

1 Comentário para "10 perguntas e respostas sobre o Estrabismo Infantil"

  • comment-avatar
    Carla RM 3 de novembro de 2017 (13:49)

    Alguns meses atrás (5 meses +ou-) comecei a perceber um pequeno desvio no olho direito do meu filho de 4 anos, porém apenas as vezes, logo me veio a suspeita genética já que a avó paterna tem estrabismo, sendo assim levei em 3 médicos oftalmologistas em uma das consultas fez dilatação e em todas as consultas os médicos disseram que não tinha nada na visão, mas algumas vezes continei percebendo que um dos olhos desviava enquanto o outro fixava o olhar em um ponto ou objeto, principalmente quando ele me olhava de frente, não sosseguei. Então por conta própria levei para fazer um teste ortóptico, onde foi sim foi constatado estrabismo divergente. No mesmo dia iniciamos o tratamento com tampão, tive que conversar bastante para ele aceitar a colocar, nos dias seguintes inventei sempre uma brincadeira para distrair e passar as 3 horas mais rapidamente e tive a ideia de fazer algumas camisetas de seus personagens preferido utilizando o oclusor (trabalho com confecção) e ele adorou, pois ajudou a entender que tudo bem ter que usar o tampão, até os super-heróis usam para ficarem com os olhos ainda mais fortes, isso ajudou na aceitação e na auto estima. Esse lúdico nos tem ajudado a superar e encaram o diferente com mais naturalidade, com diversão ajudando a minimizar o problema. Pensando que outras crianças poderiam sentir-se como ele estou expandindo a ideia e comercializando as camisetas, caso tenha interesse em adquirir ou conhecer, pode entrar em contato via whats: 11 9997467-27 ou no Mercado Livre: https://produto.mercadolivre.com.br/MLB-931463989-oclusor-tampo-infantil-em-personagens-na-camiseta-_JM

Clique para Comentar!