10 perguntas e respostas sobre o Estrabismo Infantil

Muita gente tem dúvidas sobre o assunto, e hoje, a oftalmopediatra e especialista em Estrabismo,  Dra. Marcela Barreira, respondeu à algumas perguntas  para esclarecer melhor o assunto! Se você tem dúvidas não deixe de ler!
1- O que é o Estrabismo Infantil?

O estrabismo na verdade tem algumas classificações: temos o estrabismo congênito, que é o desvio que nasce com o bebê ou aparece já nos primeiros dois meses de vida e temos o estrabismo de aparecimento um pouco mais tarde: após os 4-6 meses. Esse é o estrabismo infantil, mas ele tem várias causas e pode ser um desvio dos olhos para dentro ou para fora. 

 
2- Quais as causas do Estrabismo Infantil?
A causa do estrabismo ainda não é bem estabelecida. Sabe – se, hoje, que tem um caráter genético, então crianças com familiares que tenham estrabismo ou tenham tido estrabismo na infância tem mais chances de ter. Além disso, como alguns estrabismos estão ligados a graus altos, historia familiar de altos graus também podem aumentar as chances da criança ter grau e, consequentemente, estrabismo.
 
3- Existem tipos diferentes da doença?
Sim. Existem diversos tipos de estrabismo. Os mais comuns são os estrabismos convergentes, em que o olhinho entorta para dentro e os estrabismos divergentes, em que o olhinho entorta para fora. 
 
4- A partir de qual idade a criança pode ser diagnosticada com Estrabismo Infantil? Além do desalinhamento dos olhos, existe algum outro sintoma que devemos observar? 
A criança é diagnosticada com estrabismo assim que o mesmo se manifesta. Durante uma avaliação oftalmológica é possível detectar qualquer estrabismo mesmo em crianças bem pequenas. O desalinhamento dos olhos, para fora ou para dentro, são os sinais mais evidentes e mais fáceis de serem detectados pelos pais. Dependendo do tipo de estrabismo tempos sinais mais específicos, como por exemplo: crianças que apresentam os olhinhos desviados para fora, no geral, apresentam muito desconforto na claridade e costumam fechar um dos olhos quando expostos ao sol. 
 
5- O Estrabismo Infantil tem cura?
Os desvios oculares podem ser tratados sim. Dependendo da causa, o tratamento é diferente. Nos casos em que o tratamento é cirúrgico, os resultados são bons e ele pode sim desaparecer. Contudo, as crianças que tem estrabismo desde muito pequenas podem precisar de mais de uma cirurgia para atingir um bom alinhamento dos olhos. 
 
6 – Ele pode desaparecer sozinho, sem tratamento?
Não. O estrabismo não desaparece sozinho. O que acontece com alguns tipos de estrabismo, principalmente os desvios para fora, que são intermitentes como chamamos porque ora o olho está desviado e ora o olho esta normal (alinhado), é que a criança consegue controlar bem o desvio, tornando o estrabismo pouco visível. Quando a causa do desvio é grau, o desvio desaparece com o uso correto dos óculos, tornando – se evidente ao retirar a correção.  
 
7 – Como é o tratamento para o Estrabismo Infantil?
Então, o tratamento do estrabismo depende da sua causa. Os estrabismos causados por graus altos são tratados com o uso de óculos. Sempre lembrando que os olhos ficam alinhados enquanto a criança está usando o grau. Toda vez que se retira os óculos o olho volta a entortar.
Os demais estrabismos são, no geral, tratados com cirurgia. O uso de tampão, que muitos acham que serve para tratar o desvio, serve na verdade para tratar uma consequência do estrabismo que é o olho preguiçoso. Quando a criança desvia um olho, o cérebro dela automaticamente apaga a imagem desse olho desviado – isso é chamado de supressão. Se essa imagem fica sendo suprimida o tempo todo, o olhinho não desenvolve a visão. E é esse mau desenvolvimento da visão nos olhos com estrabismo que chamamos de ambliopia, ou olho preguiçoso. Coloca-se, então, o tampão no olho bom da criança, para estimular a visão desse olho que está com a visão ruim. O tampão NÃO cura estrabismo e não serve para alinhar o olho e sim para tratar consequências geradas pelo desvio dos olhos. O tampão ainda é usado nas crianças com desvio para fora, de forma alternada, como tentativa de melhorar o controle do desvio, mas novamente, ele não cura e sim pode ajudar a controlar melhor e deixar o estrabismo menos evidente.
 
8 – A falta do tratamento correto pode acarretar num agravamento do problema? 
A falta de tratamento do estrabismo pode gerar algumas sequelas. A principal delas é a perda da visão de profundidade (a visão 3D), porque toda criança que apresente desvio nos olhos não consegue desenvolver a chamada visão binocular, ou visão de profundidade. Esse é um dos principais motivos para indicar o tratamento cirúrgico precoce nessas crianças. Além disso, quando não tratado e acompanhado o estrabismo pode gerar ambliopia ou olho preguiçoso, como falei anteriormente. O aumento e a descompensação do desvio também é algo que pode acontecer caso a criança não seja tratada de forma adequada. 
 
9- O estrabismo infantil pode se prolongar para a vida adulta?
Pode. Um desvio não tratado na infância não ira desaparecer e se perpetuará até a fase adulta. Os desvios que tendem a amenizar ou até desaparecer na fase adulta são aqueles ligados a altos graus de hipermetropia. Com o crescimento, esse grau pode sofrer uma regressão e isso gerar uma melhora do desvio ocular. 
 
10 – O estrabismo afeta a visão da criança?
Como havia mencionado antes, o estrabismo pode gerar a ambliopia, que é um olho preguiçoso, deixando aquele olho com um déficit visual, que se não tratado ate os 07 anos, pode ficar como sequela definitiva. Além disso, a visão de profundidade é a visão mais acometida nas crianças com estrabismo. 
Aqui no blog, você encontra outra matéria feita com a Dra. Macela Barreira, sobre a importância de levar o bebê ao oftalmologista!
Dra. Marcela Barreira é Oftalmopediatra e especialista em Estrabismo pela Unifesp e Neuroftalmologista pela USP, sócia da clínica Neuro Kinder e é a Oftalmo do Pedro e do Enrico! Siga no Instagram: @dra_marcelabarreira e veja muitas dicas e informações importantes!
*imagem gentilmente fornecida pela Clínica Neuro Kinder.

Larissa Paganini

Larissa Paganini, mãe do Pedro (7 anos) e do Enrico (1 ano). Formada em Hotelaria, e Pós Graduada em Eventos, descobriu o melhor da vida: cuidar dos seus filhotes. Apaixonada por culinária,chocolate e cheiro de filho!

Sem comentários para "10 perguntas e respostas sobre o Estrabismo Infantil"

    Clique para Comentar!